Variabilidade genética em progênies de guapuruvu Schizolobium parahyba

Fernanda Carolina Silva Chinelato, Cristiano Bueno de Moraes, André Carignato, Evandro Vagner Tambarussi, Leo Zimback, Edwin Camacho Palomino, Edson Seizo Mori

Resumen


O guapuruvu é uma espécie pioneira de rápido crescimento da família Leguminosae de grande importância em projetos de restauração. O objetivo do estudo foi verificar a variabilidade genética de progênies de Schizolobium parahyba da região de Botucatu/SP, por meio de parâmetros genéticos quantitativos. O teste de progênies foi instalado no delineamento experimental em blocos casualizados, três repetições, quatro plantas por parcelas e 60 progênies. Foram avaliados os caracteres: altura de plantas (ALT) e diâmetro á altura do peito (DAP) nas idades de 2, 7, 14, 20 e 66 meses e a porcentagem de sobrevivência, aos 66 meses, transformada em log (x+10). Para as estimativas dos parâmetros genéticos, os dados coletados foram analisados pelo software SELEGEN. Os coeficientes de variação genética individual (CVgi %), variação genotípica entre progênies (CVgp %) e variação relativa (CVr), apresentaram estimativas que demonstram uma variabilidade genética restrita e muito influenciada pelo ambiente. Os coeficientes de herdabilidade ao nível individual (ĥa2) foram maiores para altura (0,318, 0,012, 0,247, 0,390 e 0,012) em relação ao DAP (0,021, 0,024 e 0,015) aos 14, 20 e 66 meses, respectivamente. As correlações genotípicas no geral foram altas entre os caracteres ALT e DAP. A maior correlação genética entre os caracteres DAP e ALT de plantas ocorreu entre a idade 14 meses (0,85). As progênies estudadas, apesar de não mostrarem significativa variabilidade genética, são potenciais para se dar início a programas de melhoramento e conservação genética.


Palabras clave


Guapuruvu, melhoramento florestal, parâmetros genéticos, teste de progênies, variabilidade genética

Texto completo:

PDF HTML

Referencias


Borém, A; Miranda, G. 2009 Melhoramento de Plantas. Editorial UFV. Viçosa, Brasil.

Carvalho, M.; Nascimento, I.; Carvalho, G. 2008. 5-Desoxiflavonóides e Lignina Isolados da Madeira de Schizolobium parahyba (Vell.) S.F. Blake (guapuruvu). Química Nova 31(6): 1349-1352.

Carvalho, P.E.R. 2005. Guapuruvu. Circular Técnica Embrapa Florestas 104: 1-10.

Coelho, R.R.P.; Silva, M.T.C.; Bruno, R.L.A.; Santana, J.A.S. 2006. Influência de substratos na formação de mudas de guapuruvu (Schizolobium parahyba (Vell. Blake). Revista Ciência Agronômica 37(2): 149-152.

Freitas, M.L.M.; Sebbenn, A.M.; Zanatto, A.C.S.; Moraes, E.; Moraes, M.A. 2008. Variação genética para caracteres quantitativos em população de Gallesia integrifolia (Spreng.) Harms. Revista Instituto Florestal 20(2): 165-173.

Freire, J.M.; Piña-Rodrigues, F.C.M.; De Lima, E.R.; Sodré, S.R.C.; Corrêa, R.X. 2007. Estrutura genética de populações de Schizolobium parahyba (Vell.) Blake (guapuruvu) por meio de marcadores RAPD. Scientia forestalis 74: 27-35.

Fonseca, S.M.; Resende, M.D.V.; Alfenas, A.C.; Guimarães, L.M.S.; Assis, T.F.; Grattapaglia, D. 2010. Manual prático de melhoramento genético do eucalipto. Editorial UFV. Viçosa, Brasil.

Garcia, C.H.; Nogueira, M.C.S.N. 2005. Utilização da metodologia REML/BLUP na seleção de clones de eucalipto. Scientia Forestalis 68: 107-112.

Kageyama, P.Y.; Gandara, F.B.; Souza, L.M.I. 1998. Conseqüências genéticas da fragmentação sobre populações de espécies arbóreas. Serie Técnica IPEF 12: 65-70.

Lorenzi, H. 1992. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Editorial Plantarum. Nova Odessa, Brasil.

Massaro, R.A.M.; Bonine, C.A.V.; Scarpinati, E.A.; Paula, R.C. 2010. Viabilidade de aplicação da seleção precoce em testes clonais de Eucalyptus spp. Ciência Florestal 20(4): 597-609.

Moraes, M.L.T. 1987. Variação genética da densidade básica da madeira em progênies de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden e suas relações com as características de crescimento. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba.

Ortega, V.R.; Engel, V. L. 1992. Conservação da biodiversidade em remanescentes de Mata Atlântica na região de Botucatu-SP. Revista do Instituto Florestal 4(3): 839-852.

Resende, M.D.V. 2007. Software Selegen-Reml/Blup. Editorial UFV, Colombo, Brasil.

Sampaio, P.T.B.; Resende, M.D.V.; Araújo, A.J. 2002. Estimativas de parâmetros genéticos e métodos de seleção para o melhoramento genético de Pinus oocarpa Schiede. Pesquisa Agropecuária Brasileira 37(5): 625-636.

Sebbenn, A.M.; Pontinha, A.A.S; Giannotti, E.; Kageyama, P.Y. 2004. Variação genética em cinco procedências de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. no sul do Estado de São Paulo. Revista do Instituto Florestal 16(2): 91-99.

Vencovsky, R. Genética quantitativa. In. Kerr, W. E. (org.). 1969. Melhoramento e Genética, Editorial Melhoramentos, São Paulo, Brasil.

Zimback, L.; Mori, E.S.; BrizollaA, T.F.; Chaves, R. 2011. Correlações entre caracteres silvicuturais durante o crescimento de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden. Revista do Instituto Florestal 23(14): 14-12.


* Autor para correspondencia.

E-mail: edwincamacho2@gmail.com (E. Camacho).


Recibido 24 enero 2014.

Aceptado 10 marzo 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.17268/sci.agropecu.2014.02.01

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Indizada o resumida en:

           

  

      

            

    

     

   

                             

 

Licencia de Creative Commons Scientia Agropecuaria revista de la Universidad Nacional de Trujillo publica sus contenidos bajo licencia Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 3.0.

ISSN: 2306-6741 (electrónico); 2077-9917 (impreso)
DOIhttp://dx.doi.org/10.17268/sci.agropecu

Dirección: Av Juan Pablo II s/n. Ciudad Universitaria. Facultad de Ciencias Agropecuarias. Universidad Nacional de Trujillo. Trujillo, Perú.
Contactosci.agropecu@unitru.edu.pe