Desempenho produtivo de genótipos de feijão-vagem arbustivo em dois ambientes

Guilherme Gomes, Aline Moritz, Gustavo Freiria, Felipe Favoretto, Lúcia Assari

Resumen


No estado do Paraná são escassas as informações sobre o desempenho produtivo de genótipos de feijão-vagem de crescimento determinado em ambientes distintos. Neste sentido, objetivou-se avaliar o desempenho produtivo de genótipos de feijão-vagem arbustivo em dois ambientes. O delineamento experimental foi o de blocos ao acaso, em esquema fatorial 3x2, sendo três genótipos (UEL 1, UEL 2 e Feltrin Vicenza Amarelo Baixo®) e dois ambientes (Tamarana e Londrina), com quatro repetições. Foram avaliados os seguintes parâmetros: dias para florescimento, número médio de vagens por planta, peso médio de vagens por planta e rendimento de vagens. Exceto para dias para florescimento, em que foram verificados efeitos isolados de genótipo e ambiente, constatou-se interação significativa entre genótipo x ambiente para os demais parâmetros. Para UEL 1, o número médio de vagens por planta foi superior em Londrina, com influência direta no rendimento de vagens. O componente peso médio de vagens por planta foi superior e determinante para o rendimento de vagens em Tamarana, para os genótipos UEL 2 e Feltrin. A interação genótipo x ambiente evidenciou respostas diferenciadas dos genótipos avaliados ao ambiente de produção em relação a número médio de vagens por planta, peso médio de vagens por planta e rendimento de vagens.

Palabras clave


Clima; componentes de rendimento; Phaseolus vulgaris L.; rendimento

Texto completo:

PDF HTML

Referencias


Abcsem - Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas. 2011. Projeto para levantamento dos dados socioeconômicos da cadeia produtiva de hortaliças no Brasil, 2010/2011.

Disponível em:

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/camaras_setoriais/Hortalicas/Dados_Economicos/ABCSEM%202011.pdf.

Adsule, R. N.; Deshpande, S. S.; Sathe, S. K. 2004. Tratado de ciencia y tecnología de las hortalizas. Editorial Acribia S.A. México.

Barbosa, F.; Gonzaga, A. 2012. Informações técnicas para o cultivo do feijoeiro-comum na Região Central-Brasileira. Embrapa Arroz e Feijão. Santo Antônio de Goiás, Brasil.

Binnie, R.; Clifford, P. 1999. Sink characteristics of reproductive organs of dwarf bean in relation to likelihood of abscission. Crop Science 39: 1077-1082.

Carvalho, J.; Saad, J.; Cunha, F.; Silva, N.; Teixeira, M. 2014. Manejo da irrigação no feijoeiro, cultivado em semeadura direta e convencional. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada 8: 52-63.

Caviglione, J.; Kihil, L.; Caramori, P.; Oliveira, D. 2000. Cartas climáticas do Paraná. Instituto Agronômico do Paraná. Londrina, Brasil.

Deral/Seab - Departamento de Economia Rural. Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado do Paraná. 2013. Feijão-vagem. (Comunicação Pessoal).

Dourado, D.; Fancelli, A. 2000. Produção de feijão. Editora Agropecuária. Rio Grande do Sul, Brasil.

Fancelli, A.; Dourado, D. 1997. Ecofisiologia e fenologia do feijoeiro. In: Fancelli, A. L; Dourado Neto, D. (Coord.) Tecnologia da produção do feijão irrigado. ESALQ. Piracicaba, Brasil.

Faria, A.; Moda-Cirino, V.; Buratto, J.; Silva, C.; Destro, D. 2009. Interação genótipo x ambiente na produtividade de grãos de linhagens e cultivares de feijão. Acta Scientiarum. Agronomy 31: 579-585.

Filgueira, F. 2003. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. Editora UFV. Viçosa, Brasil.

Haesbaert, F.; Santos, D.; Lúcio, A.; Benz, V.; Antonello, B.; Ribeiro, A. 2011. Tamanho de amostra para experimentos com feijão-de-vagem em 19 diferentes ambientes. Ciência Rural 41: 38-44.

Hermes, C.; Medeiros, S.; Manfron, P.; Caron, B.; Pommer, S.; Bianchi, C. 2001. Emissão de folhas de alface em função da soma térmica. Revista Brasileira. de Agrometeorologia 9: 269-275.

Moreira, R.; Ferreira, J.; Takahashi, L.; Vasconcelos, M.; Geus, L.; Botti, L. 2009. Potencial agronômico e divergência genética entre genótipos de feijão-vagem de crescimento determinado. Semina: Ciências Agrárias 25: 1051-1060.

Parra, M. 2003. Feijão. In: Oliveira, E. L. Sugestão de adubação e calagem para culturas de interesse econômico no Estado do Paraná. Iapar. Londrina, Brasil.

Passarin, A.; Rodrigueiro, E.; Robaina, C.; Medina, C. 2007. Caracterização de agregados em LatossoloVermelho distroférrico típico submetido a diferentes doses de vinhaça. Revista Brasileira de Ciência do Solo 31: 1255-1260.

Pereira, V.; Bazotti, A. 2010. Ruralidade, agricultura familiar e desenvolvimento. Ipardes. Curitiba, Brasil.

Pereira, V.; Gris, D.; Marangoni, T.; Frigo, J; Azevedo, K.; Grzesiuck, A. 2014. Exigências agroclimáticas para a cultura do feijão (Phaseolus vulgaris L.). Revista Brasileira de Energias Renováveis 3: 32-42.

Pereira, A.; Otto, R.; Reghin, M. 2003. Respostas do feijão-vagem cultivado sob proteção com agrotêxtil em duas densidades de plantas. Horticultura Brasileira 21: 564-569.

Ramírez, N.; Estrada, J.; González, M.; Montes, E. 2012. Rendimiento y calidad nutrimental de frijol ejotero en dos ambientes. Revista Fitotecnia Mexicana 35: 317-323.

Ramírez, N.; Estrada, J.; González, M.; Montes, E. 2013. Rendimiento, calidad nutrimental y rentabilidad del frijol ejotero de temporal en San Pablo Ixayoc, México. Revista Chapingo Serie Horticultura 19: 333-342.

Rezende, R.; Gonçalves, A..; Frizzone, J.; Freitas, P.; Bertonha, A.; Andrade, C. 2002. Uniformidade de aplicação de água, variáveis de produção e índice de área foliar da cultivar de feijão Iapar 57. Acta Scientiarum 24: 1561-1568.

Rosa, L.; Guimarães, M. 2011. Diagnóstico socioeconômico em assentamento rurais no município de Tamarana – PR. Semina: Ciências Agrárias 32: 809-828.

Roy, G.; Laflame, L.; Tremblay, N. 2000. Évolution des calibres et des rendements de cultivars de haricot destinés à la transformation. Canadian Journal of Plant Science 80: 869-873.

Santos, D.; Haesbaert, F.; Lúcio, A.; Storck, L.; Cargnelutti Filho, A. 2012. Tamanho ótimo de parcela para a cultura do feijão-vagem. Revista Ciência Agronômica 43: 119-128.

Snyder, R. 1985. Hand calculating degree-days. Agricultural and Forest Meteorology 35: 353-358.

Tsukaguchi, T.; Fukamachi, H.; Ozawa, K.; Takeda, H.; Suzuki, K.; Egawa, Y. 2005. Diurnal change in water balance of heat-tolerant snap bean (Phaseolus vulgaris L.) cultivar and its association with growth under hight temperature. Plant Production Science 8: 375-382.

Yvestirilly, C. 2002. Tecnologia de hortalizas. Editorial Acribia. Zaragoza, Espanha.

Vieira, C.; Paula , T.; Borém, A. 2006. Feijão. Editora UFV. Viçosa, Brasil.

Received Janeiro 12, 2016.

Accepted June 20, 2016.

* Corresponding author

E-mail: guigomes88@hotmail.com (G. Gomes).




DOI: http://dx.doi.org/10.17268/sci.agropecu.2016.02.01

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Indizada o resumida en:

           

  

      

            

    

     

   

                             

 

Scientia Agropecuria fue admitida en SCOPUS en noviembre 2019, por lo que los contenidos publicados a partir del 2019 en adelante, serán indizados en esta base de datos. 

 

Licencia de Creative Commons Scientia Agropecuaria, revista de la Universidad Nacional de Trujillo, publica sus contenidos bajo licencia Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 3.0.

ISSN: 2306-6741 (electrónico); 2077-9917 (impreso)
DOIhttp://dx.doi.org/10.17268/sci.agropecu

Dirección: Av Juan Pablo II s/n. Ciudad Universitaria. Facultad de Ciencias Agropecuarias. Universidad Nacional de Trujillo. Trujillo, Perú.
Contactosci.agropecu@unitru.edu.pe