Potencial fisiológico de sementes de milho híbrido tratadas com inseticidas e armazenadas em duas condições de ambiente

Rosane Fátima Baldiga Tonin, Orlando Antonio Lucca Filho, Leopoldo Mario Baudet Labbe, Mirela Rosseto

Resumen


O tratamento de sementes é uma prática largamente difundida nas áreas agrícolas brasileiras, a qual, associada às demais práticas culturais, tem contribuído para o incremento na produtividade, redução de custos, melhoria da qualidade do produto final, redução de danos ao ambiente e oferta uma boa proteção às sementes, tanto em nível de campo quanto no armazenamento. O trabalho teve como objetivo verificar o efeito do tratamento inseticida sobre a germinação e o vigor das sementes de milho híbrido, armazenadas em duas condições de ambiente. As sementes foram tratadas com três inseticidas, identificados como: Inseticida 1 (Thiametoxan); Inseticida 2 (Neonicotinóide) e Inseticida 3 [Neonicotinóide+(Imidaclopride+Thiodicarbe)]. Após tratadas as sementes foram armazenadas por um período de 270 dias, em dois ambientes, sendo um com controle de temperatura (10ºC) e umidade relativa (60%) e outro em condições normais de armazenamento. Durante este período realizou-se avaliações a cada 45 dias, através dos testes de germinação e vigor. Além dos testes de germinação e teste de frio foi realizada a emergência de plântulas após as sementes permanecerem armazenadas por um período de 30 dias em ambientes sem controle e com controle das condições do ar. Os resultados obtidos permitem concluir que a qualidade das sementes armazenadas de milho híbrido, tratadas com inseticidas é influenciada pelo produto químico empregado no tratamento das mesmas, dependente do híbrido e das condições do ambiente de armazenamento e que a redução na viabilidade e no vigor de sementes tratadas com thiametoxan, intensifica-se com o prolongamento do período de armazenamento.


Palabras clave


Zea mays, tratamento de sementes, qualidade de sementes, armazenamento.

Texto completo:

PDF HTML

Referencias


Barney, J.; Sedlacek, J.D.; Siddiqui, M.; Price, B.D. 1991.Quality of stored corn (maize) as influenced by Sitophilus Zea mais Motsch. and several management practices. Journal of Stored Products Research 27(4): 225-237.

Baudet, L.M.L. 2003. Armazenamento de sementes. In: Peske, S.T.; Rosental, M.D.; Rota, G.R. Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. Pelotas: Ed. Universitária-UFPel, p. 370-418.

Bilia, D.A.C.; Fancelli, A.L.; Marcos Filho, J.; Machado, J.A. 1994. Comportamento de sementes de milho híbrido durante o armazenamento sob condições variáveis de temperatura e umidade relativa do ar. Sci. Agric. (Piracicaba) 51(1): 153-157.

Carvalho, R.P.L. 1978. Pragas do milho. In: Paterniani, E. (Coord.) Melhoramento e produção do milho no Brasil. Campinas: Fundação Cargill, p.505-561.

Carvalho, N.M.; Nakagawa, J. 2000. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 3. ed. Campinas: Fundação Cargill, 427p.

Cruz, I.; Oliveira, L.J.; Santos, J.P. 1983. Efeito de diversos inseticidas no controle da lagarta-elasmo, Elasmopalpus lignosellus, em milho. Pesquisa Agropecuária Brasileira 18(22): 1293-1301.

Cruz, I.; Viana, P. A.; Waquil, J.M. 1999. Manejo das pragas iniciais de milho mediante o tratamento de sementes com inseticidas sistêmicos. Sete Lagoas: EMBRAPA-CNPMS. 39 p.

Dan, L.; Dan, H.; Barroso, A.; Câmara, A.; Guadanin, E. 2010. Efeito de diferentes inseticidas sobre a qualidade fisiológica de sementes de soja. Global science and technology 3: 50-57.

Delouche, J. C.; Baskin, C. C. 1973. Accelerated aging technique for predicting the relative storability of seed lots. Seed Science & Technology 1: 427-452.

Delouche, J.C. 2002. Germinação, deterioração e vigor de sementes. In: Seed News. Pelotas: Editora Becker e Peske Ltda 6(6): 24-31.

Fancelli, A.L.; Dourado-Neto, D. 2004. Produção de milho. 2. ed. Guaíba: Agropecuária, 360p.

Fessel, S.A.; Mendonça, E.A.F. de; Carvalho, R.V. de.; Vieira, R.D. 2003. Efeito do tratamento químico sobre a conservação de sementes de milho durante o armazenamento. Revista Brasileira de Sementes 25(1): 25-28.

Gassen, D.N. 1996. Manejo de pragas associadas à cultura do milho. Passo Fundo: Aldeia Norte. 134p.

Horii, P. M.; Shetty, K. 2007. Enhancement of seed vigour following insecticide and phenolic elicitor treatment. Bioresource Technology 98: 623-632.

Khaleeq, B.; Klantt, A.E. 1986. Effects of various fungicides and insecticides on emergence of three wheat cultivars. Agronomy Journal, Madison 78(6): 967-970.

Machado, J.C. 2000. Tratamento de sementes no controle de doenças. Lavras: UFLA/FAEPE. p. 41-42.

MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2009. Regras para análise de sementes. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 399 p.

Nascimento, W.M.O.; Oliveira, B.J.; Fagioli, M.; Sader, R. 1996. Fitotoxidade do inseticida carbofuran 350 FMC na qualidade fisiológica de sementes de milho. Revista Brasileira de Sementes 18(2): 242-245.

Nunes, J.C.S. 2008. Desempenho de sementes de milho tratadas com thiametoxam em função da dose e armazenamento. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Sementes). Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel/UFPEL, Pelotas-RS, 243 p.

Oliveira, L.J.; Cruz, I. 1986. Efeito de diferentes inseticidas e dosagens na germinação de sementes de milho (Zea mays L.). Pesquisa Agropecuária Brasileira 21(6): 578-585.

Pereira, O.A.P. 1991. Tratamento de sementes de milho no Brasil. In: MENTEN, J. O. M. (ed.) Patógenos em sementes: detecção, danos e controle químico. Piracicaba: ESALQ/FEALQ, p. 271-280.

Peske, S.T; Baudet, L.M. 2006. Beneficiamento de Sementes. In: Sementes: Fundamentos Científicos e Tecnológicos Ed. Peske. Pelotas/UFPEL, 472 p.

Rosa, K.C.; Meneghello, G.E.; Queiroz, E.S.; Villela, F.A. 2012. Armazenamento de sementes de milho híbrido tratadas com tiametoxam. Informativo Abrates 22(3).

Silva, M.T.B. 1998. Inseticidas na proteção de sementes e plantas. Seed news (Pelotas) 5: 26-27.

USDA - United States of Departament of Agriculture. 2013. Disponível em: http://www.usda.gov. Acessado em Setembro, 2013.


* Autor para correspondencia.

E-mail: rosanebaldiga@yahoo.com.br (R.B. Tonin).


Recibido 06 noviembre 2013.

Aceptado 02 marzo 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.17268/sci.agropecu.2014.01.01

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Indizada o resumida en:

  

 

   

 

Licencia de Creative Commons Scientia Agropecuaria revista de la Universidad Nacional de Trujillo publica sus contenidos bajo licencia Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 3.0.

ISSN: 2306-6741 (electrónico); 2077-9917 (impreso)
DOIhttp://dx.doi.org/10.17268/sci.agropecu

Dirección: Av Juan Pablo II s/n. Ciudad Universitaria. Facultad de Ciencias Agropecuarias. Universidad Nacional de Trujillo. Trujillo, Perú.
Contactosci.agropecu@unitru.edu.pe